sábado, 11 de novembro de 2017

Assédio invertido



"Homem é foda. O cara passa quase o tempo todo livre malhando, só publica foto em festa, pega qualquer uma, anda por aí de regata ou sem camiseta e depois vem reclamar que é uma vítima. Depois esses cínicos ficam se fazendo de indignados e reclamando. Mas também, eles só sabem fazer isso: vadiar e reclamar. Ele tem que aprender o devido lugar dele e que tem coisa que não se pode fazer. Aí, não arranja uma esposa e não sabe o por quê!"

sábado, 4 de novembro de 2017

Swingin' (in the rain): Festa Havaiana 2x2

continuação daqui | início

O Verão estava ao rubro, um calor imenso que pedia água e corpos despidos, por isso resolvemos fazer-nos ao caminho e visitar o antro da moda, estrear a piscina e ficar para a noite. Apanhámos bastante calor pelo caminho no nosso bólide sem ar condicionado, mas valeu a pena a viagem, quando lá chegámos, a meio da tarde, atirámo-nos para a piscina sem pudores nem roupa. A piscina que a Yin conheceu no inverno e estava desejosa de chegar ao verão para a experimentar.O ambiente estava porreiro, meia dúzia de casais, bebidas à discrição, churrasquinho, uma delícia. A Yin estava bastante confiante com o seu corpo, feliz da vida a comer amoras oferecidas pelas silvas que rodeavam a vedação. Aproveitámos o mais que pudemos o sol e a água até irmos para dentro tomar banho e vestirmo-nos para o jantar. Encontrámos pelo caminho um casal conhecido, os amantes dos  Devassos e acabámos por jantar por lá com eles num ambiente muito agradável.
Era festa havaiana, por isso o Yang levou uns calções com padrão de hibiscos e a Yin uma micro-saia estampada de franjinhas e bikini, complementados por aqueles colares de flores que nos ofereceram por lá.
A memória escreve-se por linhas tortuosas e nem sempre conseguimos fazer jus aos acontecimentos. Nunca escrevemos aqui sobre um casal que conhecemos no nosso antigo clube preferido, uma vez que lá fomos com os Envergonhados. A bem dizer, nessa noite apenas a Yin conheceu o membro feminino desse casal, e tudo por causa das unhas. Ela estava a conversar com a Envergonhada na fila para pagamento sobre roer unhas e a Senhora que estava atrás meteu-se com elas, porque também ela roía as unhas. Muito simpática esta Senhora, a Yin ficou impressionada com os olhos dela, com a intensidade deles. E ficaram um pouco a discutir tentativas e métodos, e a desejar que da próxima vez que se vissem, conseguissem controlar o vício. Ela disse que o casal a que pertencia se chamava 2x2 e que ambos tinham a mesma tatuagem. Ao mesmo tempo que diz isto, levanta o vestido e mostra (supostamente) a tatuagem, mas foi tudo muito rápido e a Yin não conseguiu ver nada, pois ficou vidrada no papinho moreno e totalmente depilado, sinal de que costuma apanhar bastante sol.
A partir daí, fomos mantendo algum contacto com o membro masculino do casal (por sinal bastante simpático) através de um site swinger, mas nunca mais nos voltámos a encontrar pessoalmente. Viemos a confirmar que também são fãs de nudismo e têm casa na praia.
A Yin reconheceu aqueles olhos intensos na mesa do jantar e foi meter-se com eles. A dona dos olhos intensos demorou algum tempo a lembrar-se dela, mas quando a Yin lhe falou das unhas riu-se e disse que tinha conseguido acabar com o vício de vez, ao contrário da Yin, que na altura em que a conheceu conseguiu andar uns tempos bem, mas depois recaiu no vício.

Mais tarde, a Yin confessou-lhe que não chegou a conseguir ver-lhe a tatuagem e o motivo de não ter conseguido. Ela riu e em plena pista de dança, quando nos íamos a despedir, levantou o seu vestido rendado sem forro, devagarinho, para que a Yin pudesse finalmente apreciar a sua tatuagem… e novamente o seu papinho lisinho e moreno.

continua...

sábado, 21 de outubro de 2017

Felices los cuatro



Dúvidas: onde está o quarto elemento? Será homem ou mulher? Será isto swing ou outra forma diferente de viver a sexualidade?

Certeza: Abana-se bem ao som da música. O resto... "no me importa un carajo"! Literalmente.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Swingin' (in the rain): os enxutos #3

continuação daqui | início

Passaram alguns meses e fomos estando com os enxutos em diversas ocasiões. Numa delas, conheceram a Duquesa, ou melhor, o Enxuto reconheceu-a: tinham sido namorados há trinta e tal anos! Assim se prova que o mundo é uma ervilha… Fizemos caminhadas, geocaching, almoçámos com amigos, fomos a clubes… eles sempre na boa, com imensa paciência à espera que a Yin descongelasse. Fomos ao clube diabólico com eles uma sexta-feira, dessa vez tínhamos o espaço quase todo para nós, fomos os quatro para um quarto e o Yang fez algumas fotos, apesar do quarto ser minúsculo, conseguiu alguns ângulos interessantes. Tentaram puxar pela Yin, fazer com que ela participasse, mas ela não estava para aí virada, ficou apenas a assistir e comentou com a Enxuta: “Não tens celulite, cabra”, ao que ela se riu.

Outra vez encontrámo-nos com o Tal Casal num bar “normal” da cidade dos Enxutos e ficámos por lá até à hora de fecho. Ficámos com a ideia de que os outros dois casais não simpatizaram muito uns com os outros. Mas o bar tinha uns chás mesmo bons!

continua aqui

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Swingin' (in the rain) os enxutos #2

continuação daqui | início


Encontrámos um casal charmoso e simpático, com mais de uma década que nós, com melhor aspeto que nós e uma atitude condizente, boa onda. São pessoas que fazem desporto e que se cuidam. O Yang cumpriu a sua promessa, e apesar de a esplanada ser aquecida e haver música ao vivo que nos impedia de falar normalmente, ficámos ali até à hora de fecho e não os convidámos para ir a casa. Despedimo-nos com ideias de nos voltarmos a encontrar.
Apesar de serem pessoas bastante ocupadas com compromissos familiares complexos, conseguimos combinar um sábado para passear à beira-mar. Desta vez o Yang, um pouco à revelia da Yin, fez-lhes o convite para dormirem em nossa casa. Ela de início ficou danada, com a paranóia da casa ter de ser limpa e arrumada, e não estava nada inclinada para aventuras sexuais. O casal já tinha percebido as hesitações da Yin e enviou uma mensagem muito sincera a perguntar se ela queria que eles ficassem, não tinha de acontecer nada de sexual se não fosse a vontade de todos. Ela meditou sobre o assunto enquanto esfregava a casa de banho. Chegou à conclusão que gostava da companhia deles e não fazia sentido recusar-se, por isso também foi sincera quando lhes respondeu falando da sua falta de vontade sexual. Eles disseram que não tinham problemas com isso.
Acabámos assim por passar um fim-de-semana bastante agradável, eles dormiram em nossa casa e não houve sexo. A Yin sentiu-se um bocado desmancha-prazeres, já que por vontade dos outros três, teria havido. Não que ela se opusesse a que eles se envolvessem, mas eles não o queriam fazer sem ela. Trocaram apenas ideias, carícias, massagens, beijos e abraços.
A partir daí, a Yin decidiu pôr-se em forma para os receber, apesar de eles dizerem que ela estava bem como estava, queria fazer aquilo por si própria.

continua aqui

domingo, 24 de setembro de 2017

Swingin' (in the rain): os enxutos # 1


continuação daqui | início

O Yang continua a visitar sites da comunidade swinger, gosta de se distrair com as fotos de mamas durante as reuniões chatas. As mamas são para ele uma espécie de terapia que lhe permite aturar clientes loucos. Mas no fundo, no fundo, tem alguma esperança de encontrar algum casal interessante.
A Yin não tem paciência para os sites. Com os seus discursos do costume, fotos demasiado amadoras, sem o mínimo de brio ou descaradamente plagiadas. Admite que no meio de tudo isto poderá existir um ou outro perfil interessante, mas não se dá ao trabalho de procurar.
Numa destas andanças, já não sabemos quem se meteu com quem, o Yang comentou com a Yin um casal de cotas com muito bom ar. A Yin não poderia estar mais a leste, mas achou piada, porque o Yang é um pouco preconceituoso com as idades e admite-o, mas por algum motivo, este casal despertou-lhe a atenção acabou por convencer a Yin em encontrá-los no sítio do costume, a esplanada aquecida num parque da cidade onde vivemos. Não foi fácil convencer a Yin, estávamos em pleno inverno, um frio que convidava a um filme visto debaixo de mantas quentes, e a libido da Yin costuma hibernar por estas alturas. Mas o Yang lá a convenceu e a única condição que ela impôs foi não os convidar para ir lá a casa, que estava super desarrumada. E foi assim que lá fomos, mais uma vez, conhecer mais um casal…

continua aqui


domingo, 17 de setembro de 2017

Teoria...

"[O swing] é o caminho mais à mão para se tentar uma reinclusão rapidinha na tal cena primária (papai traçando mamãe). O sujeito leva a patroa pro swing porque deseja inconscientemente reproduzir as relações afetivo-sexuais da qual foi excluído pelo pai, pleiteando, dessa vez com êxito, sua inclusão tardia. Nem precisa explicar que, nesse esquema, a patroa vira a mãe no inconsciente traquinas do swingueiro. Agora ele poderá ver sua mãelher sendo desfrutada com alegre despudor por outro homem sem tomar um chega pra lá do desfrutador. Se calhar, até entra na dança também, já que há sempre algum orifício sobrando nessas situações. Sem falar na chance de faturar na boa a mulher do próximo, sendo que o próximo pode ser justamente o sujeito que está sendo agraciado naquele mesmo instante por um boquete da parte da sua, com todo respeito, excelentíssima senhora. Num clube de swing não há terceiros excluídos. Trata-se de uma rebelião contra a lei excludente do pai e a favor do incesto praticado com a mãe. E você ainda pode tomar cerveja e uísque à vonts durante a cerimônia de inclusão."

Reinaldo Moraes, artigo completo aqui.